Notícia

Lançamento do: O Livro Negro do Rock em O Sebo Cultural

 

Matéria no Jornal Corrreio da Paraíba:

 

Materia no Jornal A União

Fotos:

 

REALESE

O músico e escritor Antonio Celso Barbieri, (Londres) estará dia 21 de julho, sábado,  11h, no O SEBO CULTURAL para o lançamento do seu livro “O LIVRO NEGRO DO ROCK”. Trata-se de um livro, resultado de muita pesquisa, para mostrar as relações do rock com o oculto.  

Confirmada a participação do músico Geovan Morais. http://www.geovanmorais.com.br/ . Tarcisio Almeida, diretor da Pindorama, fará a apresentação do livro. O Musico Augusto Silveira e o próprio autor, darão canjas musicais.

O livro tem 240 páginas e custa 40 reais e quem comprar ganha uma camiseta.  

Para mais informações ir para http://www.osebocultural.com/noticia/2207,,lancamento-do-o-livro-negro-do-rock-em-o-sebo-cultural/noticia.html

Sobre o trabalho do autor: www.2bstar.com. celsobarbieri.co.uk

 Para qualquer dúvida envie-me um email (rock@celsobarbieri.co.uk)

Para saber mais sobre a história  do autor antes de escrever este livro, cheque aqui: http://www.2bstar.com/loja/index.php/quem-e-barbieri

Mais informações:

“O meu livro é um sério resultado de longa pesquisa onde apesar do nome ser O LIVRO NEGRO DO ROCK, é na verdade uma desculpa para encarar de frente alguns assuntos que estiveram na minha mente por muitos e muitos anos! Trata-se de um esforço honesto e verdadeiro para explorar as relações do Rock com o Oculto

Como tudo na minha vida, o livro surgiu movido pelas coincidências do dia-a-dia, pela sincronicidade que “brinca” com todos nós! 

Minha história com o Rock Brasileiro, mais precisamente de São Paulo, minha terra natal, vem de longa data e começou lá pelo fim dos anos 60 e começo dos anos 70. Categoricamente apesar de ser filho do Woodstock, também curti Beatles e seu álbum Sgt Peppers, definitivamente está entre os meus 10 mais.

O primeiro show que produzi foi em 1972 mas foi lá por 1985 que cheguei ao auge trabalhando com centenas e centenas de bandas. Neste período quase todas as bandas importantes de SP passaram na minha mão e tornei-me desde então um tipo de referência para o Rack Nacional porque ajudei muita gente no Brasil e em Londres para onde me mudei em 87.

A história é longa e portanto vamos direto ao Livro Negro do Rock.

A coisa começou assim, como tenho um website onde conto minhas memórias e ele já passou dos 2 Milhões e quinhentos mil visitantes, muita gente começou enviar-me email´s contando compartilhando suas memórias. Dentre estas pessoas duas, informaram-me como o Porto da cidade de Santos (SP) foi importante para a chegada do Rock no Brasil. Tive a vontade de escrever uma matéria falando disto. Então entrei em contato com duas bandas que tinha trabalho, as duas de Santos; Vulcano e Santuário. Seria saber se eles sabiam ou confirmavam esta história. Bom, as bandas nãos ó confirmaram como curiosamente, fiquei sabendo que Zhema o líder do Vulcano era uma pessoa muito ligada ao Oculto na figura do mago controverso Aleister Crowley. Coincidentemente como na minha vida “on the road” tinha estado perto do músico Raul Seixas queria também compartilhar esta memória no meu site. Fui pesquisar Raul Seixas e descobri que a sua Sociedade Alternativa fundada junto com o escritor Paulo Coelho e outros também era intimamente ligada ao mestre Aleister Crowley.

Então, naturalmente fui pesquisar Aleister Crowley que levou-me à duas bandas que aprecio muito Black Sabbath e Led Zeppelin. Aliás quanto a Black Sabbath nano foi nenhuma surpresa! A grande revelação mesmo foi saber que Led Zeppelin sim era coisa séria, com um pensamento muito mais estruturado, uma verdadeira “Escola de Mistério”.

O Livro explora desde o Blues de Robert Johnson passando pelo Hard Rock de Black Sabbath e Led Zeppelin indo ao Black Metal do Venom e esticando até a corrente mais extrema lá da Noruega. 

Na parte que toca às bandas brasileiras existem varias revelações algumas incríveis! Mas não é só isto! Eu falo sobre “o poder da palavra” o poder do ritual”, “a seta do tempo” e muitos outros assuntos que   certamente farão o leitor reavaliar seus pontos de vista.

Este livro é uma produção totalmente independente e é uma publicação genuinamente underground! Estou muito feliz porque desde seu lançamento este livro até agora só tem recebidos elogios!”

 Segue uma resenha feita por Mário Pazcheco, agente da contracultura de Brasília:

 

O Livro Negro do Rock, do ocultismo ao rock extremo


(a controversa obra de Barbieri) 


escrito por Mário Pazcheco para o website Do Próprio Bol$o

Paranormalidade, fascínio, repulsão, sabedoria, charlatanice, simbogia, seitas secretas, mestres sagrados e chefes secretos! Da teosofia ao pensamento pós-moderno.

Em suas páginas, os livros basicamente imprimem dados e fontes; vivências e experiências. Se o leitor conhecer o autor ou ter mantido contato, o conteúdo deste livro certamente poderá ser mais abrangente, mudando de significado a cada página ou leitura. Antonio Celso Barbieri no seu O Livro Negro do Rock foi muito feliz na edição final do texto conseguindo enxugar o número de páginas, apresentando uma visão cujo objetivo é afirmar o que você procura e como você deve elevar essa procura: 

“lamentavelmente cometi vários enganos, alguns são irreversíveis e, portanto, terei que carregá-los, na minha consciência, até o final dos tempos. O importante é que se eu pudesse, os corrigiria”.

"A experiência mística é apenas o resultado do confronto pessoal de um ser humano com a sua verdade, qualquer que seja ela" - A.C. Barbieri.

Vou discorrer ainda um pouco mais sobre o autor, pois é necessária toda uma alquimia para compor a sua vida e obra. Pelo livro, sabemos que Barbieri manteve estreitas relações com o PCB, e no início dos anos 80 promoveu shows de rock da ala mais extrema e praticamente iniciantes e pioneiras. Sim! Bandas paulistas como Vulcano e Korzus ou mineiras Sepultura e Sárcofago influenciaram o desenvolvimento do som e do vestuário Black Metal no mundo. De maneira suave sem comprometer os envolvidos apenas para registro, as entrevistas entreveros e até rusgas são abordadas por Barbieri (expectador privilegiado).

Em São Paulo sua loja de discos chamava-se Stocking Music Center. Sua experiência passava pelo teatro. Seu primeiro casamento durou sete anos: nenhum governo aceita que a arte seja livre pois a arte se espelha no ocultismo. Curiosamente, o ápice de sua carreira foi a produção de um show do Korzus no The Marquee Club em Londres.



Como leitor de biografias de rock, elas me deixam a par das peripécias e perfis abordados no livro: Black Sabbath & Ozzy Osbourne, Led Zeppelin & Jimmy Page e Raul Seixas & Paulo Coelho e a Sociedade Alternativa com um nome orbitando em suas cabeças: Aleister Crowley, outro toque do livro é desconfiar daqueles que pronunciam que estudaram a obra de Aleister Crowley, na certa leram biografias. Estes perfis são abordados de maneira direta e psicanalítica por Barbieri, na extensiva pesquisa on-line ele não deixa margens para erros ou falsas impressões – do jeito que ele quer, ele costura seu texto com dados inquestionáveis: Led Zeppelin IV, a grande escola do ocultismo, Ozzy agraciado por Bush. Espertamente, o autor reúne os melhores textos para manter ereta a coluna  dos textos deste O Livro Negro do Rock, seu conteúdo acrescenta novos horizontes para a gula pop dos leitores. Esclarecedor é o capítulo Raul Seixas e a Sociedade Alternativa escrito por Jay Vaquer.

Teorias? Você amará ou odiará O Livro Negro do Rock nas suas sucessivas páginas e assuntos. Barbieri reproduz o texto Zeitgeist e a desconstrução do Cristianismo escrito por Peter Joseph para o conhecido vídeo Zeitgeist. Descontrução? Teoria da Conspiração? Categoricamente, O Livro Negro aborda os assuntos relacionados ao ocultismo na música e no rock. Estas rápidas biografias detalham os pensamentos das obras en detrimento das lendas: na divulgação do conhecimento, o livro alerta para que não se perca o discípulo. E ainda ensina uma simpatia contra o mal-olhado!



O essencial do livro foi que o corajoso autor obteve êxito em abordar com sucesso e de maneira compacta assunto tão abrangente. Afastando as nuvens que poderiam nublar o cérebro.

O livro resgata o Black Metal brasileiro, este esforço já valeria pela edição do livro. As relações dos músicos brasileiros do ritmo extremo e com seus pares mundo afora é esclarecedor. Trajetórias baseada na troca de correspondências, shows mambembes apocalípticos, problemas com a polícia e o inimaginável sucesso. Minha visão foi redimensionada: o show que assisti do Korzus entrou para a galeria dos antológicos. Virei fã de carteirinha da banda Vulcano, agora para mim: tão importantes quanto os Mutantes foram para o rock nacional. Ao final do livro finalmente você compreendera que trata-se de uma enciclopédia empírica da base para o vértice da pirâmide. Despertará o interesse entre os mais jovens.

"O mestre Antonio Celso Barbieri ajudou a construir parte da história do rock nacional.  O Livro Negro do Rock é uma viagem extraordinária ao mundo do rock, cheio de surpresas, obstáculos, a busca pelo autoconhecimento e as vicissitudes da natureza por demais transcendental que seja a existência espiritual" - Aldo Luiz Beehlerr da Silva.

Mário Pazcheco

 

Barbieri Comenta:

Mario Pacheco ou Mario Pazcheco, como ele prefere ser chamado é o responsável pelo site Do Próprio Bol$o que, por mais de 30 anos, em muitas incarnações, desde fanzines distribuidos mão-a-mão até chegar na forma atual online vem divulgando como ele mesmo costuma dizer: ideias, irreverência e contracultura. Pazcheco é um grande colecionador de cultura e sua casa contém uma biblioteca/arquivo que guarda uma quantidade monstruosa de informação tanto de música, arte como também sobre o comportamento humano. Sua coleção abrange tanto o Brasil quanto o resto do mundo. Todo este trabalho prolífico é movido por puro idealismo onde o nome do seu website já diz tudo: Do Próprio Bol$o. À vários anos, um palco instalado nos fundos do quintal da sua chácara vem abrindo espaço para um grande número de artistas locais independentes. Seu website à muito tempo ultrapassou 1 milhão de visitantes e já deve estar bem próximo dos 3 milhões se, já não passou desta marca. Entretanto Pazcheco preferiu desabilitar o marcador de visitas do seu site porque prefere ficar na sua condição underground do que virar um "mainstream". Pazcheco, com seu jeito particular de escrever, direto e sem rodeios é o protótipo do beatneak para este novo milênio! Fiquei honrado como a sua crítica ao meu livro! Muito Obrigado!

Antonio Celso Barbieri

 
 

 

Antonio Celso Barbieri O Lançamento aqui em João Pessoa de O Livro Negro do Rock foi maravilhoso! Só encontrei-me com gente amável e carinhosa! Recebi a nata da contracultura local! Voltarei com uma grande lista de amigos e uma mala cheia de CDs autorais! Fiz dois programas de rádio e tive duas entrevistas publicadas nos melhores jonais aqui da capital paraibana. Mas, não acabou aí! Hoje à noite tem convite para uma peça de teatro, amanhã terá uma feira de vinil e tem gente armando outro lançamento do livro lá pelo meio da semana que vem! O mais satisfatório foi encontrar um povo politizado e inteligente que entendeu a minha mensagem liberal e entendeu que roqueiro não tem necessartiamente que ser um alienado! :-) Estou realmente muito feliz! Aqui fica meu agrecimento às dezenas de pessoas que direta ou indiretamente conspiraram para que este dia maravilhoso acontecesse! Quero registrar aqui meu agradeciemento especial ao caro Heriberto Coelho de Almeida dono do O Sebo Cultural pela sua imensa amizade e gentileza! Many Thanks!!!!